Review: Catalinbread SFT

Published on outubro 17th, 2017

 

Acabamento/Construção/Embalagem

 

Esse é o primeiro review de um pedal da Catalinbread aqui no site. Eu já admirava os produtos feitos por eles a bastante tempo e a impressão só melhorou quando recebemos alguns modelos para analisarmos no site. O Acabamento do SFT é excelente, sem nenhum tipo de falha. A cor do pedal é muito bonita e as inscrições bem visíveis. E o visual do pedal remete ao tipo de sonoridade que ele produz.

A construção é bem limpa e organizada, com ótimos componentes e uma placa muito bem montada. Os componentes e peças do pedal são de ótima qualidade e fornecem uma sensação de robustez. O SFT pode ser alimentado por fonte padrão com 9v ou 18v e também com bateria. O único detalhe que eu não curti foi o posicionamento da entrada da fonte, localizada na lateral do pedal, próximo ao out, o que vai impedir você de utilizar um cabo tipo “L”.

A embalagem dos produtos da Catalinbread é personalizada e acrescenta um charme especial ao produto. O pedal vem embalado num saquinho de pano e acompanham uma palheta e um adesivo do fabricante. Senti falta de um manual, falando sobre as características do pedal.

Timbres

O Catalinbread SFT é inspirado nas sonoridades dos amplificadores Ampeg SVT, que eram usados por bandas como os Stones na década de 60 e recentemente “redescoberto” por bandas como o Queens of the Stone Age. O pedal possui quatro controles (Volume, ganho, graves e agudos) e dois modos que modificam completamente o ganho do pedal: Stones/Stoner.

Se fosse para definir esse pedal em uma palavra eu usaria versatilidade. Mesmo sendo baseado em uma sonoridade em específico, a quantidade de ótimos timbres que o SFT oferece é inspiradora. A seção de equalização é excelente! Os graves soam cheios e redondos e os agudos bem presentes e suaves. Os dois modos oferecem faces distintas de uma sonoridade.

O Modo Stones é a opção de baixo ganho do pedal. Como o nome já entrega, é ótimo para sonoridades de rock’n roll e blues. Remete muito a sonoridades clássicas dos Stones. Também funciona muito bem como booster para empurrar outros overdrives ou o canal já sujo de um amplificador valvulado, já que tem uma ótima quantidade de volume de saída, mesmo com pouco ganho. O modo Stone possui bem mais ganho e em regulagens extremas pode oferecer uma sonoridade de Fuzz bem gorda, especialmente se utilizado em conjunto com uma guitarra equipada com captadores de bobina dupla (humbuckers).

Eu não sei como esse pedal não alcançou o hype de alguns outros, já que ele oferece sonoridades clássicas que influenciaram milhares de guitarristas e que não é tão popular em outros pedais por aí. O SFT é uma excelente pedida para quem quer um ótimo overdrive, que oferece sons distintos e quer fugir da mesmice de TS’s, “Marshall Likes” e quetais.

Facilidade de Usar/Achar bons timbres

O SFT é um pedal bem simples de se usar: São quatro controles e um botão para alteração do “modo”do pedal. Vale a pena trabalhar bem com a seção de equalização do pedal, que é excelente, especialmente se você trabalhar com diferentes guitarras. O desafio aqui é tentar extrair um som ruim do pedal. Eu, particularmente, não consegui!

 

Regulagem Favorita

Vol: 12:00h

Ganho: 16:00h

Treble: 13:00h

Bass: 12:00h

Modo: Stones