Entrevista: Stomp Audio Labs

DMT HeadPhoneAmps!
maio 1, 2013
Novo Pedrone Titan!
maio 5, 2013

Entrevista: Stomp Audio Labs

E voltamos com as nossas entrevistas!

Como é bom ver o mercado brasileiro crescendo e amadurecendo! A Stomp Audio Labs é uma marca que já nasceu com uma identidade e propostas claras, e com uma qualidade que impressiona para quem está chegando agora. Mais um exemplo de que é possível fabricar ótimos pedais por preços bacanas! Esses caras ainda vão fazer MUITO barulho no nosso mercado!

Confira agora o papo que levamso com o JP e o Pedro, criadores da marca e veja se as expectativas não são as melhores possíveis…

Pedais & Efeitos: Como vocês decidiram criar a Stomp Audio Labs?

Pedro/JP: A Stomp Audio Labs foi fundada por dois amigos, o Pedro e o Jp. Ela tem as suas raízes em dois outros projetos: a Minix, que foi um projeto do Pedro, que miniaturizou um rack de Chorus da Roland em um pedal pequeno, e a Strange Effects, que era um projeto do Felipe, um grande amigo nosso, que fazia pedais handmade sob encomenda. Nós todos nos conhecemos na escola de Engenharia elétrica da UFMG, nos tornamos amigos e começamos uma banda juntos. Sempre falamos muito em pedais, e a idéia de começar uma empresa de pedais sempre esteve lá, mas isso só aconteceu de fato em 2012.

Fazer pedal foi meio que uma mistura de um hobby e uma necessidade. A gente tinha uma banda, e depois de um tempo, percebemos que era hora de melhorar os nossos timbres, e resolvemos construir alguns pedais para nós mesmos agregando os conhecimentos de cada um. Coincidentemente, na época, a gente nem usava muitos pedais. Agora, cada um toca com uns.. 10 pedais, pelo menos?

Pedais & Efeitos: E a quanto tempo a empresa está na “ativa”?

Mother of FuzzPedro/JP: Na verdade a empresa só está “oficialmente” na ativa desde 2013! Estamos trabalhando nisso a alguns anos, mas até agora era uma coisa muito fechada, só pra nós e alguns amigos muito próximos.

Pedais & Efeitos: Vocês tem uma política de lançamento e venda de um número limitado de pedais para cada modelo. Porque optaram por essa estratégia?

Pedro/JP: Bom, Quando começamos a conversar sobre isso, nós reparamos que a maioria das empresas do Brasil ou tinha um estoque permanente grande, ou só fazia pedais sob encomenda, com filas de espera demoradas. Por isso, a gente escolheu esse jeito de operar, que na verdade é bem simples, e acontece bastante fora daqui. A Stomp fará séries oficiais limitadas e reduzidas de pedais, que serão mantidas, e que sempre serão consistentes entre si. Algumas coisas podem mudar entre uma série e outra, mas o Juice continuará sendo o Juice, e o Cash continuará sendo o Cash.

Fora disso, nós temos alguns pedais B-Sides, que literalmente, são pedais… Lado B. Nós fazemos eles quando quisermos, por qualquer motivo, sem aviso, sem obrigação, sem regras. Os que fizemos até agora têm várias histórias diferentes. Alguns foram pedais que surgiram no nosso processo de desenvolvimento e prototipagem, outros foram pedais que a gente sempre sonhou em ter, mas nunca foram viáveis. O Mark III, por exemplo, é um clone do Maestro Brassmaster, um fuzz sinistro da década de 70 que é muito difícil de encontrar hoje em dia (e muito caro quando encontrado!). A gente montou uma versão um pouco modificada do circuito pra nós mesmos, e acabamos fazendo mais alguns pra amigos.

Os nossos pedais são muito individualizados, e esse jeito de operar foi o que nos deu a maior flexibilidade pra fazer coisas novas, mas garantindo um bom padrão de controle de qualidade e um bom mecanismo de continuidade. Desse jeito, quando você comprar um
Mr. Brown, por exemplo, sabe que ele vai ser o mesmo pedal que você viu ou testou antes. E os B-Sides são a nossa desculpa para fazer produtos custom a qualquer momento, o que nós achamos essencial em qualquer negócio, principalmente em pedais de guitarra, mas mantendo a continuidade e a consistência da marca.

Pedais & Efeitos: Eu só conheci a S.A.L. no início de 2013. Quais pedais vocês já lançaram que estão fora de catálogo? Pretendem relançá-los algum dia?

Pedro/JP: Então, como falamos antes, ainda não soltamos o site, então isso não ficou ainda muito claro na página, mas os B-Sides na verdade nunca estiveram dentro do catálogo, eles nunca foram lançados. Eles foram feitos individualmente, pra nós mesmos, e eles ficaram no nosso “portfólio”, mas são pedais à parte. Temos planos de fazer uma série ou outra de alguns deles sim, mas não é o nosso foco principal.

MrBrown no Moog do Henrique Portugal

Pedais & Efeitos: Como já noticiamos, vocês estão lançando agora 4 novos pedais. Quantas unidades serão vendidas de cada um? E como está a procura por eles?

Pedro/JP: A nossa primeira série foi super reduzida, pra ver como as coisas iam acontecer mesmo. São apenas 20 unidades de cada pedal, e é pra ser uma coisa bem exclusiva mesmo. A procura está bacana, está aumentando bastante. Nós optamos por começar devagar, mas os nossos clientes estão espalhando as notícias, e já tem muita gente interessada.

Pedais & Efeitos: Como funciona o processo de Desenvolvimento na Stomp Audio Labs ? Quanto tempo leva do início do processo até o lançamento de um novo pedal?

Pedro/JP: O nosso processo de desenvolvimento depende muito de cada pedal, mas sempre acaba com um circuito aberto na mesa de prototipagem, e testamos com diferentes guitarras e amplificadores, para fazer os ajustes finais. Algumas vezes, nós partimos pra desenvolver um efeito, por exemplo, um ‘overdrive’.. Nesse caso, a gente faz um estudo do que já existe de melhor no mercado Placa Base
de boutique internacional, pra entender o efeito e o seu mercado, o gosto dos consumidores, e o nosso próprio gosto, é claro. Depois, começamos a juntar alguns pedais de que mais gostamos, pra ter uma referência de timbre.

Para você ter uma idéia, para desenvolver o Cash nós montamos 12 clones de diferentes overdrives que tomamos como exemplo no mercado. Alguns famosos e reconhecidos, e outros menos conhecidos, mas interessantes. Depois de estudar, montar e testar todos esses pedais, descobrimos o que nós mais gostamos em um overdrive, e então fomos projetar um pedal com todas as características que desejamos. A nossa primeira série levou quase dois anos pra ser lançada, desde a primeira conversa até a primeira caixa nos correios, mas ela foi também a primeira ação da empresa, e envolveu uma quantidade absurda de pesquisa, desenvolvimento e, principalmente, prototipagem. Agora, a empresa já está muito mais estruturada, então as próximas séries devem demorar bem menos.

Pedais & Efeitos: O que você destacaria como sendo a principal característica, o ponto forte dos pedais da Stomp Audio Labs?

Pedro/JP: A personalidade. A gente podia falar sobre qualidade, mas isso é obrigação. Nós fazemos praticamente tudo com as próprias mãos, e não economizamos esforços pra fazer as coisas exatamente do jeito que a gente gosta, então cada pedal tem uma personalidade própria. Todos eles recebem uma atenção individual enorme, têm um design próprio, simples e bonito, acabamentos resistentes, componentes importados de primeiríssima linha, placas de circuito impresso industriais, e projetos originais e refinados. Afinal, nós somos o nosso próprio público alvo, então pegamos tudo que a gente gostaria de ter em um pedal de guitarra e fizemos isso acontecer.

Pedais & Efeitos: Você acredita que ainda existe algum tipo de preconceito ou resistência dos guitarristas brasileiros em utilizar produtos fabricados aqui?

Pedro/JP: Sim e não. Isso é uma coisa muito pessoal. Nós percebemos que, enquanto tem muita gente que vai mesmo pelo nome de uma grande empresa internacional, tem muita gente que acha os pedais nacionais handmade bem mais interessantes, justamente pelo fato de eles serem fabricados à mão, por outro brasileiro que provavelmente fez isso com mais carinho que a indústria americana / asiática. Lá fora, no geral, a música tem um valor diferente, os equipamentos são muito mais acessíveis, tanto pelo preço menor quanto pelo fato dos músicos terem um poder aquisitivo maior. Por isso as empresas têm uma liberdade muito maior de experimentar algumas coisas mais radicais, e esse é o único jeito de inovar e progredir de verdade, com uma competição saudável. O complicado é que enquanto isso não acontecer no Brasil, o nosso mercado vai evoluir devagar. De fato, os brasileiros não têm culpa de preferir os produtos internacionais, porque sinceramente, são poucas as empresas aqui que realmente fazem a coisa direito, que fazem pedais realmente interessantes, sem cobrar preços absurdos por isso, e por isso, o espaço é enorme. E nós percebemos que muitas vezes, o “senso comum” de muitos brasileiros sobre alguns pedais é um pouco sem fundamento. Vários pedais que são muito famosos e reconhecidos aqui, como o OCD e o TS-808, nos decepcionaram na vida real, e parece que muitas outras pessoas também sentem isso, mas a fama e as referências de endorsers e do próprio mercado são tão fortes que esses pedais parecem ser muito melhores do que achamos na vida real.

As empresas daqui precisam fazer menos hype, menos endorsismo. E mais pedal.

Prototipagem

Pedais & Efeitos: Qual o seu pedal favorito dentre os que já foram produzidos pela
Stomp Audio Labs?

JP: Meu preferido é o Evil Twin. É um fuzz podrão de silício de dois canais, que a gente fez pra mim, junto com a nossa segunda rodada de prototipagem. Ele é meio temperamental, ele faz muito barulho, pega rádio em um dos canais, funciona do jeito que
quer, é um caos. E eu amo o som dele.

Guerrilla Audio Fuzzes

Pedro: Essa é uma pergunta complicada… Os pedais que provavelmente serão meus favoritos ainda estão na mesa de prototipagem, mas dentre os que a gente soltou o meu preferido é o White Widow. É um clone modificado de uma das primeiras versões do Big
Muff Pi, justamente as mais sujas. Fica bom em tudo, guitarra, baixo, teclado…

Pedais & Efeitos: Na sua opinião, qual o grande diferencial que a Stomp Audio Labs pode oferecer aos seus clientes. O que os diferencia no mercado?

Pedro/JP: Os Detalhes. Nós estamos fazendo produtos da mais alta qualidade a um preço muito acessível, que compete direto com os pedais de boutique do exterior. Acreditamos que isso é o que toda empresa deveria oferecer, mas acaba que, comparando ao que acontece aqui, isso em si já é um diferencial. Mas a gente adora encher os nossos pedais de pequenos extras divertidos. Se você abrir um pedal nosso, vai entender do que estamos falando. Pedal de guitarra também é arte, é a nossa arte, e por isso a gente tem esse carinho com os detalhes, que vão do design da arte da caixinha, combinando com a vibe do som do pedal, até o layout dos componentes na placa de circuito, e a técnica por trás das trilhas em baixo deles. Tudo é pensado junto. E nem todo mundo repara nesse tipo de coisa, mas elas estão lá, porque a gente sabe que são esses pequenos detalhes que fazem toda a diferença.

Pedais & Efeitos: E quais são os projetos futuros da marca? Pode nos adiantar alguma coisa, alguma notícia exclusiva?

Pedro/JP: Bom, o nosso próximo projeto, na verdade, já saiu do papel, e é lançar uma série do Waves, que é na verdade o primeiro Juicepedal que a gente projetou do zero: um tremolo com tap tempo, três formas de onda, killswitch momentâneo e mais algumas outras coisas divertidas. Ele é um pedal bastante complexo, e por isso não incluímos ele nessa primeira série. Quanto aos pedais que ainda estão no papel, não posso contar muito ainda. Imagine o que a gente fez com o Waves. Tap Tempo, killswitch e tudo mais, Só que
num delay analógico. E por aí vai…

Pedais & Efeitos: Amigos, muito obrigado pela entrevista! Quer deixar algum recado pra os nossos leitores?

Pedro/JP: Muito obrigado a vocês, amigos do Pedais e Efeitos, pelo apoio e pelo empenho! Aos leitores, amigos e, quem sabe, futuros clientes: Sejam vocês mesmos!!! Deixem de lado o que todo mundo fala e faz, e escolham os seus equipamentos usando a melhor referência que existe: O SEU próprio ouvido!
Não existe verdade absoluta, não existe certo e errado, não existe o melhor pedal do mundo, mas existe um melhor pedal pra você e o que você quer fazer. Sejam críticos, não acreditem em fama, não acreditem em reviews, não acreditem no hype, e, principalmente, não acreditem na gente! Vejam com seus próprios olhos e escutem com os seus próprios ouvidos.

Um Grande abraço,
Pedro e Jp – Stomp Audio Labs – 2013

Primeira Rodada

pee
pee

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *