Review: Bit Commander Earthquaker Devices

Germanium Fuzz
fevereiro 11, 2021
Motion Loop ML-1L
fevereiro 17, 2021

Review: Bit Commander Earthquaker Devices

 

Acabamento/Construção/Embalagem

Já a algum tempo a Earthquaker Devices tem ocupado um papel de destaque no mercado de pedais e e me arrisco a afirmar que parte desse sucesso foi alcançado pela preocupação do fabricante com a apresentação dos seus produtos. Desde o início os produtos da EQD se destacavam com visual e conceitos bem estabelecidos. A arte do Bit Commander é simples, mas carrega o DNA do fabricante. É um dos pedais mais sóbrios da empresa (em termos de cores e minimalismo na arte) e toda a pintura e inscrições (que são bem visíveis) são muito bem feitas.

A construção segue o (ótimo) padrão do fabricante, com uma placa muito bem montada e organizada, com bons componentes sendo utilizados e sem nenhum tipo de excesso de solda/cola/fios. O Bit Commander é true-bypass e deve ser alimentado através de fonte padrão 9v não oferecendo a possibilidade de alimentação via bateria. Os jacks de entrada e saída de áudio ficam na “frente” do pedal (que já é um padrão do fabricante) assim como a entrada para alimentação do pedal.

As embalagens da EQD são muito bonitas e coloridas, com a logo do fabricante em destaque, mostrando a preocupação do fabricante em valorizar seu produto por completo. Dentro, o pedal vem embalado num saquinho de pano e acompanham: Manual, catálogo, palhetas e adesivo. Eu nem sei como é que eles colocam tanta coisa dentro da caixa! Depois que você tira tudo, para colocar de volta é quase um jogo de tetris!  É uma das melhores apresentações de produto do mercado e isso é um mérito da Earthquaker.

Timbres

Timbres de Synth analógico não estão entre os mais populares entre os guitarristas. Enquanto alguns não gostam da possibilidade de transformar o timbre do seu instrumento outros conseguem criar texturas interessantíssimas com o efeito. O Bit Commander é capaz de oferecer um destaque as suas linhas melódicas, mantendo uma ótima definição e criando sons bem bacanas, que se utilizados no contexto correto, podem ajudar demais a criar novas e belas paisagens sonoras. Mesmo não sendo um pedal para “todo mundo”, é uma ótima porta de entrada para quem curte explorar novas possibilidades e timbres.

O Bit Commander é um Sintetizador analógico monofônico.com quatro oitavas de onda quadrada. O nível da onda é controlado pelo knob Base. O coração do pedal são os controles Up (controla o volume de 1 oitava acima), Down (controla o volume de 1 oitava abaixo) e Sub (controla o volume de 2 oitavas abaixo). O controle Filter funciona como um tipo de tone e o pedal ainda possui um controle de volume geral.  Se fosse para resumir o timbre desse pedal, eu diria que ele é um casamento disfuncional entre um Micro Pog e um Tycobria Octavia. Pelo fato de ser monofônico, não funciona muito bem em acordes mas é ideal para utilização em linhas melódicas e single notes. As oitavas vão proporcionar diferentes sonoridades e opções. Sua guitarra vai ser capaz de executar uma linha como se fosse um contrabaixo utilizando o knob sub no talo ou como um ring modulator. O pedal também tem um sustain surpreendente para um pedal de synth, mas isso pode ser bem aleatório, que também é uma característica desse tipo de efeito

Mas é na prática? A verdade é que como eu mencionei no início do texto, o Bit Commander não é um pedal que vai agradar a todos. Não é um timbre dá para usar o tempo todo e em todas as músicas, mas quando tive a oportunidade de fazê-lo o resultado foi muito legal. Utilizei algumas vezes a configurações de oitavas a baixo para dobrar algumas linhas com meu baixista e tentei explorar algumas sonoridades “a lá hammond” que se não geraram o resultado que eu pretendia (existem pedais melhores para essa função) criaram texturas interessantes e inesperadas. Vale salientar que o Bit Commander vai atuar melhor em notas a partir da sétima casa da sua guitarra e com o captador do braço da sua guitarra.

Por mais que possa parecer específico ter um pedal de synth no board, o Bit Commander consegue proporcionar um pouco além disso. Ele pode trabalhar como um Octave Fuzz, por exemplo, ou emulando uma guitarra barítono (carregando toda a sujeira que ele oferece). Ele funciona muito bem para linhas melódicas e a interação entre os volunes de cada controle de oitavas pode criar diversas possibilidades. Vai caber ao músico decidir onde e como utilizar esse tipo de sonoridade. É uma ótima ferramenta para exercitar a criatividade e extrair novos sons para sua guitarra. Disfuncionais e desequilibrados? As vezes sim. Mas sempre divertidos.

Facilidade de Usar/Achar bons timbres

Os seis knobs do Bit Commander podem assustar a primeira vista, mas éum pedal bem simples de se usar. O equilíbrio entre o volume das oitavas vai influenciar diretamente no resultado final e o controle Base vai alterar o formato da onda no timbre mas não serão alterações tão drásticas. Minha recomendação é começar com os controles de oitava zerados e ir acrescentando cada um aos poucos para ver como eles se comportam e interagem entre si.

Regulagem Favorita

Level: 11:00h

Filter: 1:00h

Base: 1:00h

Sub: 9:00h

Down: 9:00h

Up: 5:00h

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *