Review: Lilian Walrus Audio

Triplegraph
outubro 8, 2020
FOD Drive
outubro 13, 2020

Review: Lilian Walrus Audio

 

Acabamento/Construção/Embalagem

A Walrus Audio conseguiu estabelecer um altíssimo padrão de acabamento e qualidade para os seus pedais, e não poderia ser diferente com o Lilian. Tudo no pedal é muito bem pensado e executado. A arte do pedal foi inspirada numa pilota voluntária da segunda guerra mundial e é bem bonita, com uma cor bem “viva” e os knobs de “aço escovado” (será que são de aço mesmo? Preciso descobrir isso…) já tradicionais da marca. As inscrições no pedal também são de fácil visualização. Um detalhe bem legal que acompanha os pedais do fabricante de uns meses para cá é a marca em auto-relevo na parte de trás do pedal.

A construção é impecável. A placa, componentes, layout, tudo é executado de uma maneira que não deixa dúvidas sobre o tipo de produto que você está comprando. Os jacks de entrada e saída de áudio ficam localizados na “frente” do pedal assim como a entrada de alimentação do pedal. O Lilian é alimentado por fonte padrão 9v e não possui opção por alimentação com bateria. O pedal oferece um acionamento “soft-switch” que não proporciona aquele click no acionamento do pedal e oferece a função “momentary”. Ele é true bypass e analógico.

A embalagem é muito bonita e é padronizada pela empresa para todos os seus produtos. A caixa é preta com a logo do fabricante verde na parte superior, e  com a indicção do modelo fica em uma das laterais do pedal. Dentro, o pedal vem embalado num saquinho de tecido branco com a logo do fabricante. Ainda acompanha adesivo, palheta e um manual simples mas muito bem ilustrado.

Timbres

O phaser é um efeito bem característico e marcante. Especialmente quando você tem a referência dos pedais clássicos. Mas eu diria que um dos grandes méritos do Lilian é oferecer esse efeito de maneira mais sutil e (eu diria) menos caricata. O DNA do efeito está lá, mas ele se comporta de maneira diferente se você pensar na maneira usual como o efeito se comporta (e aqui eu estou me referindo a como ele soa no Phase 90 e no Small Stone, por exemplo). Como no pedal da Walrus você pode controlar a ressonância do efeito (através do controle Feedback) e as frequências (através do knob widht) as possibilidades se ampliam de maneira muito interessante e musical.

O Lilian possui o mesmo recurso que o Julia, que é o knob D-P-V (dry – phaser – vibrato), que permite que você faça uma mixagem da quantidade e/ou tipo do efeito no seu sinal. Com esse controle o pedal pode variar de um timbre 100% seco a um timbre 100% phaser ou 100% vibrato e explorar as “áreas cinzentas” entre essas posições. Você pode misturar phaser com vibrato por exemplo, ou deixar o timbre com apenas uma pequena quantidade de de phaser, oferecendo uma profundidade bem interessante. Assim sendo você pode variar de timbres bem sutis, quase subliminares para um phaser super carregado como um redemoinho sonoro, tudo isso de maneira bem simples, graças a esse knob, trabalhando em conjunto com o controle rate.

Outro recurso interessante é a chave que possibilita a mudança de 4 para 6 estágios no Lilian, trazendo outra tipo de sonoridade, mais voltada para um filtro, para a brincadeira. Isso afasta ainda mais a sonoridade do pedal dos phasers tradicionais, abrindo outras sonoridades para serem exploradas. Uma configuração que eu gostei bastante foi utilizar o pedal no modo vibrato numa velocidade bem lenta, mas com os controles de feedback e width bem carregados. Você também pode aumentar a velocidade e reduzir a quantidade do efeito no knob D-P-V, que o resultado será um efeito com bastante profundidade e movimento sem sobrecarregar a guitarra com o efeito.

Você já deve ter percebido que as possibilidades do Lilian são diversas e podem se ajustar a diversas situações/necessidades. Ele não vai entregar as sonoridades clássicas e vintages que tornaram o phaser um efeito tão querido por tantos, mas vai levar o efeito para um outro patamar de sonoridades e possibilidades. Até eu, que não sou fã do efeito gostei bastante. Então quer você goste ou não do efeito, se está interessado em buscar sonoridades interessantes para explorar na sua guitarra, creio que esse pedal pode ser uma excelente opção.

Facilidade de Usar/Achar bons timbres

O Lilian é um pedal simples de ser usado mas com bastante a ser explorado. Os controles interagem muito entre si e oferecem muitas possibilidades, umas mais sutis e outras mais exageradas, mas o importante é entender como os controles atuam e testar diferentes combinações. Certamente você vai encontrar resultados bem interessantes.

Regulagem Favorita

Rate: 08:00h

Width: 04:00h

Feedback: 05:00h

D-P-V: V

Stages: 4

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *