Review: Multiverse Modulated Delay Velouria FX

Novidade da Moll!
28 de abril de 2022
El Hombre Overdrive
2 de maio de 2022

Review: Multiverse Modulated Delay Velouria FX

 

Acabamento/Construção/Embalagem

Os pedais da Velouria FX já possuem uma identidade própria, o que é muito legal para o fabricante. Você bate o olho e já sabe quem fez o pedal e isso não é das tarefas mais fáceis. O Multiverse Modulated Delay possui uma arte bem abstrata que faz todo sentido com a sonoridade e capacidade do pedal brincar com a alteração do espaço/tempo. O acabamento é muito bem feito e já característico nas cores preta e branca adotadas pelo fabricante. As inscrições tem uma boa visibilidade, apesar de ser uma arte que utiliza quase toda área do pedal.

A construção do pedal é bem sólida, com uma placa muito bem montada e soldada, utilizando bons componentes. O pedal possui 5 knobs e dois footswitches e é curioso que o posicionamento desses knobs é bem diferente do tradicional. Por se tratar de um pedal um pouco maior, você terá certa tranquilidade para pisar nos footswitches sem esbarrar no outro. O footswitch responsável pelo OSC é do tipo soft e o de acionamento do pedal é do tipo 3DPT, true-bypass. Os jacks de entrada e saída de áudio ficam na frente do pedal, assim como a entrada para a fonte de alimentação. O Multiverse deve ser alimentado por uma fonte 9v (centro negativo) e não possui a opção de alimentação por bateria.

A embalagem do fabricante é bem simples, sendo enviado numa caixa de papelão com o carimbo do fabricante. É funcional e para quem não se importa com esse quesito está tido bem. O pedal vem bem protegido por plástico bolha e acompanham paheta, adesivo e pézinhos de borracha, caso você opte por utilizá-los. Eu senti falta de um manual, por mais simples que fosse. O Multiverse tem controles diferentes do tradicional, e uma breve explicação para orientar o usuário sobre o pedal e suas características seria muito bem vindo.

Timbres

A proposta do Multiverse é recriar os timbres vintege e com voicing analógico dos desejados delays de fita. Eles possuem um timbre bem característico, com sua degradação natural das repetições que marcaram época. É um timbre com uma textura e sonoridade bem característica e que está muito bem representado nesse pedal, e ainda oferecendo alguns “truques extras” que ampliam de maneira bem interessante e musical as possibilidades do pedal. E isso vai possibilitar que você explore o pedal de diferentes formas, tanto de maneira mais “tradicional” como cirando paisagens sonoras mais complexas ao adicionar a modulação, somando-a as repetições.

Se você já conhece e gosta da sonoridade proporcionada pelos delays de fita, com aquela degradação de sinal característica nas repetições vai se sentir em casa com o Multiverse. Ele oferece um timbre bem quente e orgânico que funciona tanto para delays mais longos como para timbres de slapback. Inclusive, configurar o pedal para um delay mais curto com o feedback longo me proiporcionou timbres bem interessantes e somados a outros efeitos, bem “fora da caixa”. Se sua intenção for utilizá-lo de maneira mais convencional, como um delay mais rítmico, por exemplo, ele também vai entregar ótimas sonoridades e soar de maneira quente e musical.

Mas se você estiver disposto a se arriscar um pouco mais e criar umas texturas diferentes, basta acionar a chave de modulação para as coisas mudarem de patamar. Essa chave é responsável por acrescentar um vibrato às repetições, que possui controles independentes de velocidade e profundidade que podem deixar o timbre extremamente maluco ou bem lo-fi, o que particularmente me agradou bastante. Os controles da modulação são bastante sensíveis, no sentido de que pequenos ajustes já alteram bem a sonoridade do pedal, fazendo com que o Multiverse adentre em territórios bem experimentais. Você pode deixar o vibrato bem presente e maluco, fazendo com que as repetições soem desconexas ou deixá-lo bem discreto e deixar aquela sonoridade lo-fi reinar. As coisas podem ficar ainda mais intensas e fora de controle ao se utilizar o footswitch OSC, que fará as repetições irem ao infinito. Isso amplia ainda mais as possibilidades do pedal e o fato do foot ser do tipo “soft”, facilita muito para apenas uma rápida auto-oscilada para um caos passageiro!

Se eu fosse definir o Multiverse com apenas uma palavra seria inspirador. Todas as texturas que ele oferece são muito musicais e quase que forçam você a conquistar novos territórios sonoros. Ele funciona muito bem como delay mais tradicional (eu o utilizei  bastante dessa maneira) mas brilha com esses recursos que o fazem sair do lugar comum. Outra maneira bem interessante de utilizar o Multiverse é como um segundo delay no pedalboard para utilizá-lo não como ambiência, mas como efeito mesmo. Se você quer um delay forma da curva, que faça você explorar novos e desconhecidos territórios musicais, recomendo demais esse delay da Velouria. Divertidíssimo!

Facilidade de Usar/Achar bons timbres

Apesar dos controles simples, as combinações que o Multiverse oferece são enormes! Então eu recomendo que você explore bastante o pedal, para entender todas as possibilidades que ele oferece, especialmente com a modulação acionada. São timbres que podem variar do lo-fi para sonoridades completamente fora da caixa. Então é bom conhecer bem o pedal para extrair tudo que ele pode oferecer de melhor.

 

 

Regulagem Favorita

Mix: 2:00h

Time: 1:00h

Feedback: 12:00h

Modulation: On

Depht: 1:00h

Rate: 4:00h

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.