Review: Nettuno Dophix

Pipeline V2
dezembro 9, 2020
Face Breaker
dezembro 14, 2020

Review: Nettuno Dophix

Acabamento/Construção/Embalagem

Esse é o segundo pedal da Dophix que analisamos e o padrão de acabamento da empresa se mantém, num nível bem legal. A caixa do Nettuno é “crua”, sem nenhum tipo de pintura(Como todos os pedais da empresa) . Toda a arte e inscrições no pedal são gravadas na caixa, de maneira muito sutil, sem deixar nenhum tipo de rebarba. O resultado final é bem interessante. A escolha dos knobs também é bem curiosa, já que eles são menores que os utilizados normalmente por outros fabricantes. Um detalhe legal é o led que o fabricante instalou na parte de baixo do pedal. Uma placa de acrílico com uma luz branca que conferiu um visual bem legal  ao pedal mesmo quando ele está desligado (porém com a fonte ligada).

A construção do pedal é bem robusta. A placa é muito bem montada e organizada com bons componentes sendo utilizados. Os jacks para entrada e saída de áudio ficam nas laterais do pedal e a entrada para fonte de alimentação fica na “frente” do pedal. O pedal pode ser alimentado por fonte 9v (centro negativo, padrão Boss) ou bateria. O Nettuno é true bypass e consome cerca de 19 mA.

A embalagem do fabricante é simples mas bem bonita. A caixa é na cor preta, envernizada com a logo do fabricante, informações sobre redes sociais do mesmo e uma pequena identificação sobre o modelo.O pedal vem muito bem protegido, já que as paredes da embalagem na parte interna são cobertas com uma espuma de boa densidade, formando um “berço” para o pedal. Acompanham o pedal, palheta e adesivo, mas senti falta de um manual, por mais simples que o pedal seja. Serve para situar o músico sobre o que ele pode esperar do pedal e outras informações que podem ser úteis à mão.

Timbres

Por vezes a simplicidade é uma benção. E quando se trata de fuzz, ter menos opções as vezes ajuda o músico a encontrar mais rapidamente o seu som. E esse é o caso do Nettuno. Com controles simples e de fácil entendimento ele vai entregar timbres bem interessantes e competentes, sem que seja preciso quebrar a cabeça entendendo o funcionamento dos controles e de como eles interagem.

Com todos os controles ao meio-dia, o Nettuno já mostra a que veio. Um timbre gordo e “cantante” em notas únicas numa linha para solos me deu vontade de ficar tocando nessa configuração por bastante tempo! E foi um timbre que funcionou tanto para bases “gordas” e sujas como para linhas com uma sonoridade bem “aveludada” em linhas melódicas. Mas girar botões é preciso e fui explorar o pedal e suas possibilidades. E o primeiro botão que eu decidi girar foi o do controle de volume da guitarra e descobri como o pedal limpa bem! Isso possibilita que você o utilize como overdrive tranquilamente, e particularmente isso é uma característica que eu aprecio bastante em fuzzes. É uma ótima maneira de ter uma sonoridade de overdrive “não-careta” e que funciona bastante para quem já está cansado das sonoridades mais tradicionais.

O controle de tonalidade no Nettuno é bem característico. Ele tem um range de alcance um pouco limitado, especialmente nas frequências agudas. Calhou de me agradar bastante o espectro sonoro oferecido por ele, mas pode desagradar alguém que goste de sonoridades de fuzz mais abertas e estridentes. Ao abrir o controle de tone ele vai acrescentar mais médios/agudos do que necessariamente agudos ao som. Isso pode fazer falta em algumas guitarras equipadas com humbucker. Com altas quantidades de ganho os graves no pedal tendem a embolar um pouco (e aqui fazem faltas um pouco mais de agudos) mas para o meu gosto não incomodou.

O Nettuno não tem a pretensão de revolucionar o mercado nem de reinventar a roda, mas é um pedal divertidíssimo de se tocar. Utilizei-o com banda utilizando tanto minha Zaganin Telecaster como minha Gibson Les paul Special e os resultados foram ótimos. Insclusive esse detalhe do controle de tone foi bem útil ao vivo, pois destacar um pedal de fuzz dentro da mix não é lá das tarefas mais simples, mas os médios que o pedal ofereceu foram na medida. E a opção de reduzir o volume da guitarra e ter a opção de um overdrive com um “sabor diferente” me foi muito útil. O Nettuno fuzz tem na simplicidade e na dinâmica suas maiores forças e pode não ser inovador, mas é um pedal BEM divertido!

Facilidade de Usar/Achar bons timbres

O Nettuno Fuzz é um pedal super simples de se usar e entender. Entender o funcionamento do controle de tone vai ser fundamental para encontrar aquela regulagem que mais combine com o seu setup. Se for com Humbuckers, talvez você sinta falta de um pouco de brilho, mas vai perceber que, com banda, o resultado final vai agradas.

 

Regulagem Favorita

Vol: 12:00h

Tone: 12:00h

Fuzz: 1:00h

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *