Review: Kid Rock v.2 Maza FX

Novidades da Foxgear!
novembro 4, 2020
Jubilee
novembro 9, 2020

Review: Kid Rock v.2 Maza FX

 

Acabamento/Construção/Embalagem

Os pedais da Maza FX são fabricados na Argentina e como esse já é o terceiro review que fazemos sobre produtos da empresa (confira os outros aqui e aqui) já dá para afirmarmos que a empresa possui um bom padrão de acabamento em seus produtos. O Kid Rock v.2 possui duas versões e a que recebemos possui um verde claro com todas as inscrições em preto. As inscrições são bem visíveis e a arte é simples mas bem executada. Os knobs são na cor preta com o de volume sendo menor que os outros dois. Esteticamente fica meio esquisito mas não é nada que comprometa o bom resultado final do produto.

A construção do Kid Rock é bem feita, com uma placa bem montada e organizada, utilizando bons componentes e sem excessos de solda, fios ou cola. Os jacks de entrada e saída de áudio ficam nas laterais do pedal e a entrada para a fonte de alimentação (9v, centro negativo – padrão Boss) fica na “frente’ do pedal. O pedal também pode ser alimentado por bateria 9v e consome cerca de 15mA. Ainda existe um trimpot interno que pode alterar o controle de tonalidade.

As embalagens ddo fabricante são personalizadas, com a logo na parte superior e o endereço do site em uma das laterais. Ela é fabricada com um tipo de papelão bem fino, mas que cumpre a sua função de transportar e proteger o pedal de ocorrências mais simples. Dentro, você vai encontrar um cartão de visitas, um manual do usuário e um certificado de garantia.

Timbres

O Kid Rock é um pedal que tem a proposta de ser um “Marshall in a Box”. Nesse caso específico, ele busca oferecer timbres que se aproximem dos clássicos amplificadores JCM800. Ou seja, você já sabe que tipo de sonoridade lhe espera com esse pedal. Aquele timbre poderoso e cortante, ótimo para diversas vertentes de rock (e algumas de metal). É o tipo de overdrive/distortion que vai agradar a imensa maioria dos guitarristas, quer seja por oferecer um timbre clássico e conhecido, aliado a alguns recursos extras, quer seja por ser um pedal que pode ser utilizado de diferentes formas.

Mesmo sendo um pedal de distorção, com bastante ganho é possível utilizar o Kid Rock em outras funções, já que ele tem uma variação bem interessante no seu controle de ganho, indo de um overdrive relativamente leve indo até uma distorção poderosa. Vai dar para você tocar de Rock’n Roll a um Hard Rock, indo até um metal numa vibe mais oitentista sem problema algum apenas trabalhando com o controle de ganho do pedal. Ele trabalha com muita competência nessas diferentes possibilidades mas eu creio que onde ele se sai melhor é trabalhando como uma distorção mesmo. E com Humbuckers é pura diversão! O Kid Rock também funcionou muito bem com outras guitarras e diferentes tipos de captadores, mas para a minha Les Paul ele caiu como uma luva.

O controle de tonalidade tem uma abrangência bem grande mas nos seus extremos (de regulagem) soou pouco musical para mim. Existe um trimpot interno onde é possível regular esse range, mas eu não tentei. Mas nas demais posições (quase todas na verdade) o Kid Rock soou muito bem, com o controle de tonalidade e a chave voice sendo bastante úteis para adequar o pedal ao instrumento que está sendo utilizado. A chave Voice possui três posições e oferece diferentes níveis de brilho ao sinal. O curioso é que a outra chave, Mod, também interage com o controle de tone assim como com o controle de ganho. Então dependendo da configuração dos seus knobs as mudanças podem ser mais perceptíveis ou não, mas as duas chaves são bem legais para um ajuste mais “fino” do seu timbre. Outro recurso legal que essa versão do Kid Rock oferece é o footswitch Kill, que tem por função interromper o sinal enquanto estiver pressionado. É um efeito bem divertido e quando somado a outroas pedais como tremolo e/ou delay, tornam a brincadeira ainda mais interessante.

Eu não sou o maior fã de pedais de distorção. Fato. Mas conseguir curtir bastante o Kid Rock. Eu raramente uso a quantidade de distorção que ele oferece, mas me acertei muito bem com ele numa função de overdrive mais “poderoso” flertando com uma distorção. Ele soou bem em diferentes instrumentos e amplificadores e se provou um pedal bem útil e com ótimos timbres. Se você estiver procurando um pedal de distorção, com um “DNA Marshall” que possua uma boar versatilidade e controles para um ajuste fino no seu timbre, pode procurar um Kid Rock. Vai ser uma ótima opção!

Facilidade de Usar/Achar bons timbres

Apesar de simples de operar, o Kid Rock oferece possibilidades bem interessantes através dos seus switches e suas interações com os knobs principais. E aí é preciso “girar botões” para descobrir a melhor opção de combinação entre os knobs e os switches. São muitas possibilidades por isso recomendo investir um bom tempo nessa pesquisa sonora!

 

 

Regulagem Favorita

Vol: 1:00h

Tone: 1:00h

Drive: 11:00h

Voice: 3

Mod: 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *