Review: Sheriff T. Miranda

Multicab MKIII
outubro 1, 2020
GT1000 Core
outubro 5, 2020

Review: Sheriff T. Miranda

Acabamento/Construção/Embalagem

Os pedais da T. Miranda tem um acabamento simples e funcional que no caso do Sheriff, não foge a regra. A cor do pedal é preta e todas as inscrições no pedal são na cor amarela, o que oferece um contraste bem legal. Todas as inscrições do pedal são bem visíveis e apesar de minimalista, achei o resultado final bem legal.

A placa é bem montada, se utilizando de bons componentes com o fabricante utilizando aquela gosma preta (goop) para esconder parte do circuito. Os jacks de entrada e saída de áudio ficam na “frente” do pedal e antrada para fonte de alimentação (9 volts, centro negativo) fica no lado esquerdo do pedal. Vale destacar que o pedal é bem compacto. Não chega a ser um mini pedal, mas é menor que os pedais da Boss, por exemplo.

A embalagem do fabricante é uma caixa genérica sem qualquer identificação. Também não acompanha o pedal nenhum manual.

Timbres

A idéia do Sheriff é proporcionar aos guitarristas uma sonoridade baseada nos amplificadores Marshall JCM800, Ou seja, se trata de um Marshall in a Box. Esse tipo de circuito oferece mais ganho do que os circuitos MIAB baseados nos amplificadores Plexi. É um som com a cara do Hard Rock/Metal oitentista, mas que pelos controles e opções que possui dá pra ser usado também para outros estilos e funções.

Vou começar pelos controles de equalização do Sheriff que são muito bem equilibrados. Você vai poder utilizar os controles de tone e presence em praticamente todo o curso, sempre de maneira muito musical. Os controles não oferecem timbres muito extremos nas regulagens (especialmente nas regulagens mais agudas) e mesmo assim você vai conseguir ajustar bem o pedal para diferentes tipos de guitarra e diferentes funções. O controle de tone oferece um range legal também trabalhando com os médios que são oferecidos pelo pedal.

O Sheriff oferece ganho suficiente para quem quiser se aventurar em estilos mais pesados como eu já mencionei, mas também pode ser utilizado como overdrive de segundo estágio de maneira muito competente, graças a atuação do controle de ganho, que oferece possibilidades bem interessantes. Testei o pedal tanto em guitarras com single coils como em guitarras com humbuckers e o resultado foi muito bom em ambas as situações. Com pequenos ajustes nos controles de tone e presence, o pedal já está pronto para a ação numa eventual necessidade de mudança de instrumento.

Se você está procurando um overdrive com um DNA Marshall, que possa ser utilizado tanto como um overdrive como com uma distorção, o Sheriff deveria ser levado em consideração para uma vaga no seu pedalboard!

Facilidade de Usar/Achar bons timbres

O Sheriff é super simples de usar, com os controles sendo bastante intuitivos. O switch responsável pelos tipo de clipagem alteram bastante a relação volume/ganho, então fique atento a esse detalhe na hora da regulagem. No mais é plugar e sair tocando!

Regulagem Favorita

Level: 12:00h

Gain: 11:00h

Tone: 14:00h

Presence: 12: 00h

Switch: 1 (esquerda)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *