Greenhouse Sludge Hammer
junho 5, 2013
Lovepedal MK Red!
junho 10, 2013

Entrevista: TopTone

Ficamos muito felizes quando vemos fabricantes e produtos feitos por estes fazendo sucesso lá fora. E sem dúvida esse é o caso da Top Tone!

Com uma linha enxuta e produtos excelentes, essa empresa de um homem só tem buscado conquistar cada dia mais seu espaço. E certamente merece ser mais conhecida! Confira o papo que tivemos com o Olmar Garcia, criador da marca.

 

556071_351313064904190_1977672162_n

 

Pedais & Efeitos: Olmar, como surgiu seu interesse por pedais de efeitos?

Olmar: Surgiu em 1982 ao saber que eu poderia melhorar e muito o som de minha guitarra e quando consegui comprar meu primeiro pedal, um Sound ES3, eu senti necessidade de incrementar ainda mais meu set, pois com este pedal e minha guitarra tonante eu não estava conseguindo um timbre bom como o do Eddie Van Halen rsrsrs….. Começara aí a busca, o resto todos os que curtem estas caixinhas já sabem.

Pedais & Efeitos: E em que momento você decidiu tornar isso um negócio e fundar a Top Tone?

Olmar: A TopTone é consequência de uma busca obsessiva por um timbre específico do David Gilmour. Adquiri ao longo desta procura inúmeros pedais relacionados e paralelamente a isso eu fazia modificações e montava alguns pedais. Foi quando em 2008 imagefiz o Pink Fuzz . Fiquei muito satisfeito e empolgado com o resultado, assim como alguns amigos que me aconselharam a comercializá-lo e como nesse período eu andava meio decepcionado com minha empresa no ramo de informática, passei a me dedicar mais a este projeto.

 

Pedais & Efeitos: Para os que ainda não conhecem os seus pedais, você poderia falar de cada um deles, com suas características sonoras?

Olmar: No momento estou fazendo apenas três pedais, o DG-1, DG-2 e o Light Drive.

O DG-1 é baseado no circuito do Big Muff modificado para ser mais estável e permitir explorar melhor os médios com maior dinâmica. Ele vai de um leve Over Drive a um ganho e um sustain elevado com excelente aproveitamento dos harmônicos aliado a uma boa resposta quando é utilizado o volume da guitarra.

O DG-2 também é baseado no circuito do Big Muff, porém proporciona maior destaque aos harmônicos. Assemelha a amplificadores clássicos britânicos como o Plexi. Possui uma coloração tonal específica enriquecida por componentes de germânio. Soa quase como um Over Drive, porém com mais sustain.

O Light Drive possui uma saturação quente e natural extremamente transparente, semelhante a um amplificador valvulado, mas que permite uma resposta clara, a dinâmica de quem busca explorar sutis harmônicos gerados pelo instrumento. O som natural criado pelo Light Drive pode ser totalmente controlado com o botão de volume da guitarra, permitindo uma resposta muito articulada de sons limpos e ritmos “crunch”. Pode ir de sutis saturações como Boost a um Over Drive.

Pedais & Efeitos: Quanto tempo você levou para desenvolver cada um desses pedais? E para o desenvolvimento de um novo pedal? Como seria o processo? Eu já ouvi dizer (não me pergunte onde porque certamente eu não vou lembrar) que os seus pedais são baseados nos do Cornish. Verdade ou lenda?

Olmar: Não há nenhuma metodologia definida. Normalmente a criação de um pedal parte de alguma necessidade de um determinado efeito e normalmente utilizo outros pedais como referência. Foi assim com o DG-1(Pink Fuzz). Ele é baseado num circuito do Green Big Muff. Eu o montei em uma prontoboard e segui substituindo componentes na “tentativa e erro” até chegar ao o que procurava.
A minha ligação com os pedais do Cornish ocorreu a partir de 2009 quando comprei um Duplex P2/SS3 e ao perceber que o P2 era muito parecido com o Pink Fuzz. Decidi divulgar a comparação, mas como eu já havia comercializado alguns e ele sofrera algumas modificações e aquele logo era muito parecido com a arte do “the wall”. Pensei que isso poderia me trazer problemas então decidi 44840_140664859302346_662133_nescolher um novo nome para ele. Para isso contei com a ajuda de meu filho que na época era apaixonado pelo seriado Star Gate, então demos o nome de Drive Gate, cujas iniciais lembravam David Gilmour. Desenhei no Paint e no mesmo dia postei no YouTube. Para este vídeo eu contei com a ajuda de um grande amigo e excelente guitarrista, o André Carpes. Foi um estouro. Recebi inúmeros emails de pessoas querendo saber onde eu havia comprado. Percebi aí uma oportunidade de negócio e com o sucesso do DG-1 vieram pedidos para fazer outros pedais relacionados aos do Cornish como o DG-2 e o Light Drive ..
É lógico que nem tudo foram flores. Ouvi muito palavras como clone e picareta, mas com o surgimento de reviews em fóruns e sites feitos por guitarristas de credibilidade confirmando que meu pedal não era uma cópia, mas atendia às necessidades de quem procurava algo deste nível, eu tive um pouco mais de sossego, mas ainda não me livrei do rótulo clone, infelizmente.
Confesso que às vezes fico desapontado com algumas críticas, considerando que muitos fizeram e fazem o que eu fiz.. Eu apenas modifiquei o circuito do Big Muff assim como o Cornish. Hoje eu tenho o consentimento da Electro Harmonix e do Mike Matthews a quem credito os méritos por ter criado o Big Muff, este revolucionário pedal e um dos mais inspiradores usados no mundo.

Em relação ao Cornish, quando decidi postar na internet um comparativo de meus pedais com os dele foi com o intuito de divulgar um pedal similar a um custo mais acessível. Em nenhum momento o fiz pensando em superá-lo ou para competir com ele. Soaria até como uma piada se eu tentasse isso. Mantenho comigo todos os pedais que comprei do Cornish e os considero uma referência, uma inspiração. Desconheço outro pedal feito com tanto capricho e dedicação.

Pedais & Efeitos: O que você destacaria como sendo a principal característica, o ponto forte dos pedais da Top Tone?

Olmar: Todos os pedais são montados como se fossem para meu pedalboard. Utilizo o que há de melhor no mercado como ferramentas e componentes. Conto com a estrutura de minha empresa e a experiência que adquiri como consultor em qualidade trabalhando para várias indústrias lideres de mercado. Todos os pedais são montados de maneira artesanal, da furação das caixinhas ao teste final. Conto somente com a ajuda da minha esposa e de meu filho de 9 anos em tarefas auxiliares. Não terceirizo nada. Jamais atrasei uma entrega e não tenho pendências. Sou extremamente chato e perfeccionista. Sinto a necessidade de me manter confiante no que faço. De outra forma eu não poderia proporcionar uma garantia diferenciada como a primeira, talvez única, empresa deste ramo no Brasil a proporcionar garantia vitalícia.

image (2)

Pedais & Efeitos: Os pedais da Top Tone tem causado uma boa repercussão no exterior. Como têm sido as vendas lá fora?

Olmar: 95% das vendas são para o exterior. Eu não foquei o mercado externo. Isso aconteceu naturalmente. É cultural valorizamos pouco as coisas da nossa terra. No caso específico de pedais de efeito, há excelentes fabricantes nacionais, mas penso que a propaganda enganosa gerada por veículos focados somente no lucro e por alguns desocupados que não consigo entender a razão de um esforço para desqualificar os que tentam ingressar neste mercado fazendo algo diferenciado. Felizmente há muita gente boa empenhada em mudar este cenário, como exemplos, os artistas em meu site. Todos os que lá estão o fazem sem custo algum, apenas para ajudar a divulgar um produto no qual eles realmente confiam.

Pedais & Efeitos: É mais fácil vender para o exterior do que no Brasil?

Olmar: É bem mais fácil vender para o Brasil – menos burocracia e menor custo operacional e no meu caso ainda tem a barreira da comunicação, pois meu inglês é péssimo. 

9695_506027009432794_869216893_n

Pedais & Efeitos: Qual o seu pedal mais vendido e qual o seu preferido?

Olmar: O pedal mais vendido é o DG-1. Eu uso com maior frequência o DG-2. Cada um possui uma característica ou aplicação que me agrada muito. São como filhos. Acho que por este motivo não tenho um preferido rsrsrs.

Pedais & Efeitos: E para o futuro, Quais são seus planos? Pretende ampliar a linha da Top Tone com novos modelos?

Olmar: Sim, gostaria muito de ampliar a linha. Em passos curtos estou trabalhando em três pedais um Boost, um Chorus e um Fuzz na linha “Tone Bender”, porém em função do tempo limitado, não há previsão para o lançamento.

41179_140664725969026_4771967_nPedais & Efeitos: Olmar, obrigado pela entrevista. Agora o espaço é seu! Deixe um recado para os nossos leitores.

Olmar: Não tenho a pretensão em me tornar um grande fabricante. Vou continuar fazendo pedais para poucos. Quero ser lembrado por qualidade e não por quantidade. Penso em cativar mais amigos que a clientes. Procuro manter a insatisfação a nível mais próximo possível de zero. Ver a satisfação de quem adquire um TopTone é o meu norte.

Muito obrigado pelo espaço concedido. E obrigado a você que dedicou seu tempo lendo este artigo. Estou à disposição para esclarecer quaisquer dúvidas!

 

 

E também em inglês!

Pedais & Efeitos: Olmar, how did you get interested in effect pedals?

Olmar: In 1982 was when I discovered I could improve my guitar sound when I purchased my first guitar pedal a “Sound ES3”. That’s when I become interested in Guitar effects because my guitar tone with my new pedal still did not make me sound like Eddie Van Halen..lol… That’s when my passion to create the ultimate guitar effect to get that Eddie Van Halen magic sound. Every guitar player understands about the hunt for perfect tone and the rest it’s history.

Pedais & Efeitos: And when did you decide to go into business and found TopTone?

Olmar: TopTone pedals are the obsessive hunt for that David Gilmour monster guitar tone. I acquire a number of fuzz pedals and at same time I was making mods and assembling.
In 2008 I created the Pink Fuzz (Fig.1). I was very excited with the results. Many friends because they liked my new pedal encourage me to market it and because at that time I was struggling with my computer science field business. I started to dedicate more time to this project.

224831_400830443285785_1476504268_n

Pedais & Efeitos: For those who don’t know your pedals yet, could you describe each one of them and describe their sound features?

Olmar: At the current time I am making three different pedals, DG-1, DG-2 and Light Drive.

DG-1 is based on the best Big Muff circuitry, after I modified circuity making it more stable and with more dynamic range.
It’s tone goes from a light Overdrive to an incredible explosive gain with high sustain with an excellent utilization of harmonics coupled with a good response when the guitar volume is utilized.

DG-2 It’s like a Light Big Muff Overdrive and you can enhance the harmonics with tone qualities of a classic Plexi and with tonal coloring enriched by Germanium components.
It’s tone just like a Overdrive with more sustain growl.

LIGHT DRIVE has a natural warm saturation that’s extremely transparent, similar to a tube amplifier and offers any player an incredible transparent dynamic response.

If you are a player trying to explore subtle harmonics generated by your guitar, the natural sounds created by Light Drive can be fully controlled by your guitar volume knob and allowing you to get a very articulated response on your clean tones with a crunchy rhythms tones. The LIGHT DRIVE will deliver a tone range from transparent saturated Boost to soaring Overdrive tones.

Pedais & Efeitos: How long did it take you to develop each of these pedals. And how do you go about developing a new pedal? I’ve heard (don’t ask me where ‘cause I couldn’t remember) that your pedals are based on Cornish pedals. Is that true or a myth?

Olmar: There’s no defined process for my circuity creations. My Pedal creations originated from the need for a specific tonal effect. I can sometimes use other pedals for reference. That’s how I created the DG-1 (Pink Fuzz). It was based on the early Green Big Muff circuitry. I Started by assemble a pronto board and then I kept on replacing different components by trial and error until I found the desired guitar sound. 281322_230052820363549_3244913_n
My connection with Cornish’s pedals started in 2009 when I bought a Duplex P2/SS3. That’s when I realized that P2 was very similar to my Pink Fuzz, then I decided to publish the comparison, because by then I already had sold a few units and I made a few more adjustments for the last time. Back then the logo was very similar to the art from “the wall”, so decided to change so I wouldn’t run into legal issues, I decided to choose a new name for the DG-1. My son helped me and at that time because he was into the “Star Gate” the TV series, so we named it Drive Gate, the initials “D G” evoke David Gilmour. I made the drawings that same day, then I posted the video on YouTube with help from a great friend of mine and a fine guitar player André Carpes. It was a big smash. I received many email messages, asking me “where can I get one”.
That’s when I realized with so much success that would a huge business opportunity..
After the DG-1 success. I received requests to build other pedals and that’s how the DG-2 and Light Drive were created.
The critics were not always easy. I heard words such as “clone” & “swindler”, but after renowned guitar players started to run reviews in forums and other sites giving me the due respect for the tonal qualities of my pedals. Finally I had some relief, unfortunately some critics will still call it a clone.
The criticism is disappointing, considering that many others copied the Big Muff circuitry including Cornish.
Today I have the blessing from Electro Harmonix & Mike Matthews, to whom I give all the merit for creating the Big Muff, this incredible revolutionary pedal and one of the most inspiring pedals still being used by many guitar players through out the world.
In regards to the Cornish pedals, I only decided to post a comparison with the purpose of offering a much more affordable Fuzz pedal.
I never dreamed of surpassing my competitors.
I still have in my collection all my Cornish pedals and that’s a source of inspiration.
I never seen any other pedals built with so much care & dedication as the pedals made by Mr. Cornish.

Pedais & Efeitos: What would highlight as the main feature, the outstanding feature, of TopTone pedals?

Olmar: All pedals are assembled as if they were for my own pedalboard. I use the best tools and components money can buy. I count on the infrastructure of my business and the experience I acquired as a quality consultant working for a number of leading companies in the market. All the pedals are assembled by hand, from drilling to the final test.
My wife and my 9-year-old son help me with all extra tasks. I don’t out source anything. I never made a late delivery and I don’t have any late orders. I’m perfectionist. I must have the confidence in what I do, otherwise, I would not be able to offer a lifetime warranty with my products. I’m possibly the only, company in this sector to offer a lifetime warranty in Brazil.

Pedais & Efeitos: Top Tone pedals have had a good repercussion in other countries. How are international sales going?

Olmar: 95% of my sales are from overseas. I didn’t target the international market. It just happened naturally. Our culture gives no value to things made in our country(Brazil). In regards to the guitar pedals, there’s excellent manufacturers in Brazil.
But there’s misleading advertising that just focus on profit. They try to destroy the credibility of those who are trying to break into the market with quality products. Fortunately, there’s many great people working hard to change this, for instance, the artists on my website. Whom are freely helping by promoting a product they believe in.

image (1)

Pedais & Efeitos: Is it easier to sell to other countries or in Brazil?

Olmar: It is a lot easier to sell in Brazil – less paperwork and lower operating costs. In my case, there is also the language barrier – I speak very poor English.

Pedais & Efeitos: What is your best selling pedal and which one is your favorite?

Olmar: The best selling pedal is DG-1. I use DG-2 more often. Each pedals has a feature or an application that I like. They are like mine children, that’s why I don’t have a favorite. lol

Pedais & Efeitos: What are your plans for the future. Do you plan on expanding the Top Tone line with new models?

Olmar: Yes, I would like to expand the line. I’m working on three different pedals now: a Boost, a Chorus and another Fuzz like a “tone bender” , but my time is limited, I don’t have a date yet when they will be released.

Pedais & Efeitos: Olmar, thank you for the interview. Now, feel free to leave a message for our readers.

Olmar: I don’t intend to become a large manufacturer. I’m going to continue making pedals for limited amount of people. I want to be remembered for quality rather than quantity. I want to have more friends then customers, . I’m aiming for 100% of satisfaction and with hopefully a zero list amount of un-happy customers Who buy a TopTone pedals. That’s is my goal.
Thank you very much for allowing me this opportunity and thank you for taking the time to read this article. I am always open to answer any questions!

pee
pee

1 Comentário

  1. Bruno disse:

    Muito legal conhecer “o” TopTone! Vi (e ouvi) o trabalho dele pelo Gilmourish… ainda sonho em poder comprar o DG-2!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *